Gravidez psicológica em cachorras: conheça as causas e os sintomas

Saiba como tratar esse problema que afeta e prejudica a saúde do animal

LINK ACESSO: Gravidez psicológica em cachorras: conheça as causas e os sintomas | NSC Total

27/03/2022 - 12h00


Conhecida popularmente como gravidez psicológica, a pseudociese é um problema que atinge principalmente as cachorras que não são castradas. A doença é caracterizada por sinais físicos de uma gestação e comportamentos maternais, que ocorrem mesmo sem a fêmea estar prenhe.

Principal causa

A gravidez psicológica pode acontecer devido a uma desordem hormonal no animal. A veterinária Andréia Massuia explica que, após o cio, ocorre uma queda nos níveis de progesterona e, consequentemente, isso eleva a prolactina (hormônio responsável pela produção de glândulas mamárias durante a gestação), além dos demais sintomas.

Sintomas e riscos

Segundo Andréia Massuia, os principais sinais físicos de uma gravidez psicológica, são: inchaços no abdômen e nas mamas, produção de leite, falta de apetite, náuseas, agressividade, depressão e adoção de objetos como filhotes.

A veterinária explica que os sintomas duram até duas semanas e podem acarretar outras doenças, como a mastite (infecção na região mamária). Por isso, é fundamental que o tutor procure ajuda de um profissional assim que identificar qualquer indício da doença.

Tratamento do problema

De acordo com Andréia Massuia, o tratamento para a gravidez psicológica deve impedir a estimulação das glândulas mamárias. Para isso, é necessário o uso do colar elizabetano ou roupas cirúrgicas e a administração de medicamentos que inibem a produção de prolactina.

“O tratamento dura, em média, uma semana e o tutor deve deixar a fêmea à vontade com suas crias imaginárias, a fim de evitar que ela fique mais ansiosa e agressiva”, complementa a veterinária.

Prevenção da gravidez psicológica

A única forma de prevenir esse tipo de problema, segundo a veterinária Andréia Massuia, é por meio da castração. No entanto, a profissional ressalta que mesmo as cadelas castradas podem desenvolver a doença, mas as chances são menores.

*Por Agnes Faria





0 visualização0 comentário