Piolhos, pulgas e carrapatos: saiba como identificar, combater e evitar

A picada desses ectoparasitos pode transmitir doenças e colocar em risco a saúde do animal.

LINK DE ACESSO: Piolhos, pulgas e carrapatos: saiba como identificar, combater e evitar | NSC Total

15/02/2022 - 10h46

Independente do lugar que more, seja em casa com extensa área verde ou apartamento sem nenhum tipo de planta, qualquer cachorro ou gato está suscetível a ter pulgas, piolhos e carrapatos. Além da coceira, esses ectoparasitos, que se alimentam de sangue, também podem colocar em risco a saúde do animal, causando alergias e transmitindo doenças.

De acordo com Valéria Natascha Teixeira, médica veterinária e professora do curso de Medicina Veterinária da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), os pets podem pegá-los pelo contato com animais infestados ou durante passeios e caminhadas em parques, praças e jardins. “É no meio ambiente que está a maior parte das pulgas e larvas de carrapatos que podem infestar os cães e gatos”, afirma.

Perigos para o animal

Um dos sintomas da presença de pulgas, piolhos ou carrapatos é a coceira e, ao se coçar, o animal pode causar lesões na pele que podem infeccionar ou ocasionar alergias. Contudo, esses não são os únicos problemas.

“As pulgas e carrapatos sugam sangue, provocam anemia e podem transmitir outros agentes infecciosos pela picada, causando doenças como a erliquiose e micoplasmose”, explica Valéria Natascha Teixeira. Além disso, se as pulgas e carra- patos forem ingeridos, também podem transmitir vermes.

Fique atento aos sinais

Os ectoparasitos podem ser encontrados em qualquer parte do corpo dos animais. No entanto, os carrapatos são mais frequentemente encontrados entre dígitos, orelhas e pregas de pele entre as axilas e região inguinal.

Segundo a médica veterinária, a principal maneira de perceber que o cachorro ou gato está infestado é pela visualização dos ectoparasitos na pele e nos pelos. Por vezes, as pulgas podem ser mais difíceis de serem vistas, mas sobre o pelo do animal geralmente dá para ver uns farelos enegrecidos, que são as fezes desse inseto.

Saiba como extrair o ectoparasito do pet

Apesar de não ser muito efetivo e difícil, dependendo do tipo da pelagem do animal, as pulgas podem ser retiradas do corpo do animal. Os piolhos não são fáceis de remover, pois ficam muito aderidos no pelo.

Já os carrapatos, conforme explica Valéria Natascha Teixeira, não devem ser arrancados porque podem provocar inflamação e infecções no pet, uma vez que as peças bucais desse artrópode ficam fortemente grudadas na pele.

Como acabar com o problema

Uma vez que o cachorro ou gato está com pulgas, piolhos ou carrapatos, é preciso combater a infestação para que não coloque em risco a saúde do animal. Para isso, podem ser aplicados produtos que eliminam, repelem ou afetam a produção de ovos ou o desenvolvimento dos ectoparasitos. Nesse caso, é importante consultar um médico veterinário para que ele possa indicar o produto mais adequado.

Contudo, eliminar os ectoparasitos apenas do animal não é o suficiente. Também é preciso combatê-los no ambiente, para que não voltem a infestar o pet. Porém, isso pode ser um desafio um pouco maior para os tutores de cães e gatos, uma vez que os ectoparasitos são bastante pequenos e se reproduzem rapidamente.

Conforme explica a médica veterinária, os ovos, as larvas e as pupas das pulgas se acumulam em frestas no piso, parede, casinhas e quintal. “Por isso, a limpeza do ambiente deve ser feita rigorosamente. Cobertores, roupinhas e caminhas têm que ser higienizados ou trocados com frequência”, orienta.

Ainda de acordo com Valéria Natascha Teixeira, há produtos químicos que também podem ser passados nos ambientes para matar as formas adultas dos ectoparasitos. Entretanto, é importante tomar cuidado para não intoxicar animais e pessoas ou mesmo agredir o meio ambiente.




0 visualização0 comentário